Criar gatos soltos, de forma que possam passear por ruas ou vizinhanças pode ser uma idéia romântica, mas que na maioria dos casos termina muito, muito mal, com os gatos sendo vítimas de atropelamento, envenenamento (acidental ou de propósito), maus tratos (chutes, queimaduras e outras formas de maldade por parte de vizinhos ou de pessoas que andam na rua).
Esse gato, que apareceu na capa da Veja (foto de Fernando Moraes) ficou cego de um olho por passear no vizinho, que o chutou e ainda o jogou ao cão. O agressor merece punição, sem dúvida, mas o dono do gato não deveria ter deixado o gato solto! Essas pessoas românticas que acham que o gato não pode "ficar preso" e "tem que passear" deveriam ver situações dessas, e outras ainda piores! Na reportagem diz "Eu era brincalhão, agora vivo quieto, deitado na cama".


Há vários casos de ótimos adotantes que perderam seus gatos queridos por se iludirem achando que "o gato vai e volta", "Pode deixar que eu não deixo o gato sair" (como se fosse possível vigiar gatos 24 horas por dia).

É importante ter em mente que muitos muros que parecem altos para pessoas e cães não são altos para gatos, no sentido de que eles podem sim subir neles, principalmente se houver ponto de apoio, ou seja, um local por onde possam subir, e de lá, subirem no muro.





O gato pode escapar em questão de segundos.

Gatos mansos e "bonitinhos" que saem do quintal da casa, além dos riscos acima, tem maior chance de serem roubados.

Só pelo fato de o gato ser castrado não significa que venha a ser um gato "caseiro" e mesmo gatos que não costumam sair de casa podem ter um único passeio fatal, em que não voltem ou voltem feridos, atropelados, etc.

Por essas e outras razões, praticamente todos os especialistas em gatos defendem a criação "indoor", ou seja, que os gatos vivam em ambientes em que não tenham como irem para as ruas ou para quintais de vizinhos.

Se for muito difícil ou muito caro criar mecanismos de segurança, como telas por exemplo, no quintal inteiro, é preferível manter o gato em local menor, mas protegido.



Lembramos que muitos gatos vivem muito bem em pequenos apartamentos até chegarem à velhice, com 15 anos ou mais, enquanto gatos que vivem "soltos" tem média de vida muito inferior e mesmo os que não morrem em acidentes e maus tratos, por exemplo, podem ficar com sequelas.

A forma de proteger o quintal dependerá das características de cada um e das condições financeiras do dono quanto à escolha do material.
Telas de arame também podem ser utilizadas, veja foto abaixo.



De nada adianta também telar portão se tem como o gato escalar e sair por cima, ou se as grades permitem que o gato passe por elas.

Como pode-se ver na foto seguinte, gatos podem passar facilmente pelas grades.

Por esse motivo os donos dos gatos das duas fotos seguintes telaram entre as grades.


Seguem outras idéias de como proteger os lares para que os gatos vivam em segurança e os donos não sofram com coisas ruins que acontecem com gatos que não vivem em ambientes protegidos/fechados.

A foto abaixo mostra instalação de telas por cima dos muros, assim mesmo se o gato subir no muro, não corre o risco de sair do quintal.

A foto abaixo mostra instalação de telas por cima do telhado, caso contrário o gato acabaria subindo ao telhado, e de lá poderia escapar.
O dono desse gato tigrado abaixo foi suficientemente cuidadoso para telar inclusive a parte de cima, na vertical, senão o gato simplesmente escalaria as telas lateriais e fugiria ao chegar em cima, ou seja, a proteção seria inútil.

Mais fotos de ambientes seguros proporcionados por donos realmente responsáveis.

Outra boa solução é instalar telas tipo mosqueteiro, que de quebra evitam insetos indesejados.
Mesmo se o adotante morar no térreo, primeiro andar ou segundo andar, terá que instalar telas, pois o gato pode sofrer quedas com graves consequências, pois pelo fato de a altura ser pequena, dificulta amortecer a queda. O problema pode ser não a queda em si, mas o gato pode simplesmente pular e nunca mais conseguir voltar para casa. Felizmente os donos do totó e do bichaninho da foto abaixo tomaram as medidas cabíveis e os dois fofinhos podem observarem a rua em segurança.
Os 3 gatos da foto abaixo também estão em ambiente protegido:
Existem acidentes fatais ou casos de fuga do gato justamente da janela do banheiro e para evitar isso pode-se optar por telar a janela (por dentro ou por fora) ou instalar limitadores de abertura.
Veja exemplos de janelas bem protegidas para que os gatos não saíam de casa:

Este dono zeloso também não deu sopa pro azar:

Há muros com estrutura que conta no alto com inclinação de 45 graus inclinada para dentro, justamente para atrapalhar a fuga do gato.

Um grande perigo são as cercas elétricas:
Foto acima: Editoria de Arte/Folha Press, reportagem de Laura Capriglione, reportagem intutulada "Cercas elétricas de casas e condomínios ameaçam passeio de gatos", Folha de São Paulo, 12/08/2010.
Infelizmente acontece também de gatos morrerem ou sofrerem graves acidentes quando o próprio dono sai de casa e não vê que o gato está na roda do carro ou embaixo do carro: